Apresentação

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX

A Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão é um órgão executivo que planeja, superintende, coordena, fomenta e acompanha as atividades e políticas de pesquisa, extensão, inovação e pós-graduação, estabelecendo uma relação dialógica junto à sociedade, visando promover a transformação social.

 

DIRETORIA DE EXTENSÃO E ARTICULAÇÃO COM A SOCIEDADE (DIREX)

1. Planejar e supervisionar as atividades de extensão do Departamento de Relações Institucionais junto à comunidade acadêmica, ao setor empresarial e aos egressos;
2. Coordenar o planejamento das metas do IFS junto às coordenadorias de extensão, as quais, integram a Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão;
3. Propor à PROPEX a celebração de convênios, cooperação técnica, consultorias tecnológicas, implementação de parcerias com instituições públicas, privadas e organizações não-governamentais, adoção de programas de intercâmbio;
4. Fomentar programas e projetos de cursos de Formação Inicial e Continuada - FIC, promovendo a qualificação profissional;
5. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS (DRI):

1. Contribuir no planejamento das metas do IFS estabelecidas para compor as metas de extensão tecnológica da Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão;
2. Desenvolver as ações de cooperações técnicas e convênios e parcerias junto às institucionais governamentais e não-governamentais, visando atender o conjunto de metas;
3. Promover interação com os setores produtivos;
4. Acompanhar programas, projetos e eventos de extensão, articulando pesquisa, ensino, extensão e inovação;
5. Cadastrar e supervisionar os programas de bolsas de extensão PIBEX, IFSTEC, Culturarte, além do programa PPTAE;
6. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas pelo Departamento.

 

COORDENAÇÃO DESPORTIVA (COD)

1. Elaborar e coordenar sistemicamente atividades e projetos que envolvam a promoção desportiva, práticas de atividades físicas, tempos livres e lazer envolvendo as atividades de extensão dentro das estratégias traçadas pela PROPEX;
2. Acompanhar programas e projetos institucionais ou em parcerias com Órgãos Governamentais e não Governamentais em apoio ao esporte;
3. Promover o paradesporto;
4. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

COORDENAÇÃO DE ARTE E CULTURA (CCA)

1. Organizar e coordenar atividades e projetos que envolvam o desenvolvimento cultural, artístico e musical envolvendo as atividades de extensão dentro das estratégias traçadas pela PROPEX;
2. Acompanhar programas e projetos institucionais ou em parcerias com Órgãos Governamentais e não Governamentais, fortalecendo a arte e a cultura local e regional;
3. Acompanhar as apresentações interna e externa dos grupos culturais do IFS;
4. Propor e incentivar o desenvolvimento de projetos de arte e cultura na instituição;
5. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

COORDENAÇÃO DE CURSOS DE EXTENSÃO (COCEX)

1. Coordenar a execução de cursos de extensão, a partir das demandas identificadas pela PROPEX;
2. Construir parceria nacional e internacional para o fomento e desenvolvimento dos projetos e atividades de extensão;
3. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INCUBAÇÃO (COSI)

1. Coordenar os diversos sistemas de incubação de empresas envolvendo estudantes e servidores do IFS, visando o desenvolvimento local e regional;
2. Fomentar o empreendedorismo e a inovação no IFS, através do sistema de incubação no IFS junto à comunidade acadêmica e externa;
3. Participar de redes relacionais a pesquisas, gerando novos produtos, processos e serviços;
4. Cadastrar e supervisionar os programas de bolsas de Iniciação Científica (PIBIC Jr., PIBIC EM, PIBIC AF), estabelecidos pelos órgãos de fomento e pela DIREX;
5. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

ASSESSORIA INTERNACIONAL (AI)

1. Acompanhar programas e ações de relações internacionais em articulação com a Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão seguindo as metas de internacionalização da SETEC/MEC;
2. Assessorar a Reitoria na coordenação e supervisão dos assuntos internacionais, bilaterais e multilaterais, na área de educação;
3. Coordenar o intercâmbio institucional e acompanhar acordos e convênios internacionais assumidos pelo IFS;
4. Incentivar a comunidade interna a participar de ações internacionais como as chamadas de intercâmbio, cursos de línguas e bolsas de estudo no exterior;
5. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO (DPG)

1. Planejar cursos de pós-graduação nas áreas de interesse institucionais, de acordo com os eixos tecnológicos do Instituto;
2. Instituir e gerir grupos de trabalhos nas áreas de oferta dos cursos de pós-graduação;
3. Contratar vagas Stricto Sensu junto às universidades, através de Termo de Cooperação Técnica;
4. Ofertar programas MINTER e DINTER através de parcerias junto às IES que possuam cursos Stricto Sensu recomendados pela CAPES;
5. Priorizar a capacitação dos servidores através da oferta de cursos de pós-graduação;
6. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

DEPARTAMENTO DE PROJETOS ACADÊMICOS (DPA)

1. Desenvolver, promover e apoiar políticas, programas e projetos que potencializem as vocações regionais e o desenvolvimento sustentável do meio-ambiente com qualidade de vida;
2. Gestionar junto a organizações públicas e/ou privadas, nacionais ou internacionais, bem como em Pólos de Tecnologias para obtenção de incentivos financeiros, financiamentos e captação de outras espécies de recursos; Firmar e administrar convênios, acordos, contratos e outros instrumentos similares, objetivando a execução de programas, projetos de pesquisa e extensão acadêmicas;
3. Apoiar a realização de cursos, seminários, simpósios, encontros e oficinas que permitam a integração, a difusão de resultados de projetos desenvolvidas, bem como a formação e o treinamento de recursos humanos.
4. Prestar serviços de consultoria, assessoria, orientação e informação apoiadas na capacitação e experiência de profissionais para demandas emanadas de pela comunidade interna e externa do IFS na elaboração de projetos.
5. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

DIRETORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO (DPI)

1. Planejar e coordenar metas visando o desenvolvimento científico e tecnológico da instituição focado nos eixos da instituição;
2. Incentivar e divulgar o desenvolvimento da pesquisa aplicada e da inovação junto à comunidade;
3. Promover e fomentar atividades de iniciação à pesquisa e a inovação na instituição;
4. Implantar e implementar acordos e convênios com instituições nacionais ou estrangeiras, visando o desenvolvimento de programas e projetos em parcerias na investigação científica e tecnológica;
5. Realizar e apoiar seminários, congressos, fóruns e simpósios destinados a estudos e debates de temas científicos, tecnológicos e institucionais;
6. Coordenar e acompanhar as ações das coordenadorias ligadas à DPI;
7. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

COORDENAÇÃO DE APOIO À PESQUISA (COAP)

1. Planejar e assessorar a DPI nas ações de pesquisa e no cumprimento das metas estabelecidas;
2. Cadastrar e supervisionar os programas de bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) e de Iniciação Tecnológica (PIBITI) CNPq, estabelecidos pelos órgãos de fomento e pela DPI;
3. Divulgar e incentivar as atividades de pesquisa nos câmpus do IFS;
4. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

COORDENAÇÃO DE PUBLICAÇÕES/ EdIFS

1. Estruturar, administrar e fomentar publicações técnicas científicas do IFS;
2. Incentivar e divulgar a publicação do IFS;
3. Publicar e acompanhar editais para seleção de livros e artigos;
4. Coordenar a Editora do IFS;
5. Registrar ISSN e ISBN de seus periódicos;
6. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

COORDENADORIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (CCT)

1. Planejar e assessorar a DPI nas ações de pesquisa e inovação, buscando o cumprimento das metas estabelecidas junto a PROPEX;
2. Coordenar o Núcleo de Inovação Tecnológica do IFS;
3. Estimular a participação dos membros do NIT em eventos científicos, capacitação e treinamentos para consolidar a formação dos servidores na área de PI;
4. Incentivar e divulgar a inovação tecnológica no IFS;
5. Coordenar os depósitos de patentes e registros de PI junto ao INPI;
6. Acompanhar os projetos desenvolvidos no âmbito do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação e Desenvolvimento tecnológico (PIBITI) e o PACP;
7. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.

 

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP/IFS)

1. Prestar assessoramento à Reitoria do IFS, ao Colégio de Dirigentes e à Pró-reitoria de Pesquisa e Extensão do IFS no desenvolvimento das atividades de planejamento e coordenação de projetos de pesquisa que envolvam seres humanos de forma direta ou indireta, ou material dele advindo, como objeto de investigação científica;
2. Propor ao Colégio de Dirigentes normas, critérios, medidas e procedimentos a serem adotados pela comunidade acadêmico-científica do IFS que preservem a individualidade, dignidade, privacidade, integridade e os direitos das pessoas sujeitos de pesquisa; referidos no inciso; assegurem a prática de atividades éticas, de segurança e de conduta humanizada nas ações de promoção da saúde e prevenção de doenças;
3. Emitir parecer sobre a pertinência e alcance sócio científico de pesquisas que envolvam questões éticas referidas a seres humanos, ou, ainda, a aspectos de biossegurança, ficando a aprovação dos respectivos protocolos condicionada aos termos do parecer;
4. Manter a guarda confidencial de todos os dados, informações, protocolos e relatórios de pesquisa obtidos na execução de suas tarefas e que ficarão ao dispor das autoridades competentes;
5. Acompanhar, por meio de relatórios parciais e finais, a execução de projetos de pesquisa que tenham recebido seu parecer;
6. Receber denúncias sobre fatos adversos que possam alterar o curso normal de um estudo, decidindo pela continuidade, modificação ou suspensão do projeto de pesquisa,
7. Requerer, de ofício ou em caso de denúncia, à Reitoria do IFS, bem como a Pró-reitoria de pesquisa e extensão, a instauração de sindicância sobre irregularidades de natureza ética cometidas nas pesquisas;
8. Comunicar à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa – CONEP, do Ministério da Saúde – MS, bem como, no que couber, a outras instâncias, comprovação de irregularidades de que trata o inciso anterior;
9. Registrar, sob forma de ata, as ocorrências e decisões tomadas em suas reuniões;
10. Fomentar a reflexão ética sobre a ciência e a tecnologia;
11. Propor alterações nos procedimentos das pesquisas a serem realizadas, com vistas a questões éticas;
12. Manter comunicação regular e permanente com a CONEP/MS.
13. Revisar todos os protocolos de pesquisa envolvendo seres humanos, cabendo-lhe a responsabilidade primária pelas decisões sobre ética da pesquisa a ser desenvolvida na instituição, de modo a garantir e resguardar a integridade e os direitos dos voluntários participantes nas referidas pesquisas;
14. Emitir parecer consubstanciado por escrito, no prazo máximo de 30 (trinta) dias, identificando com clareza o ensaio, documentos estudados e data de revisão;
15. Apresentar à PROPEX relatórios periódicos das atividades desenvolvidas.