Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser!
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Estância > Primeira estação de meteoros de SE entra em operação no Campus Estância
Início do conteúdo da página
ESPAÇO

Primeira estação de meteoros de SE entra em operação no Campus Estância

Escrito por CAROLE FERREIRA DA CRUZ | Criado: Quinta, 06 de Outubro de 2016, 15h54 | Publicado: Quinta, 06 de Outubro de 2016, 15h54 | Última atualização em Sexta, 04 de Novembro de 2016, 09h58

A unidade funciona com o suporte de uma câmera de vigilância adaptada e uma lente especial para monitorar o céu

Estação MontEstá em pleno funcionamento no Instituto Federal de Sergipe (IFS) – Campus Estância a primeira estação de monitoramento de meteoros do estado. A unidade funciona 24 horas por dia com o suporte de uma câmera de vigilância adaptada e uma lente especial para monitorar o céu noturno e é alimentada por meio de energia solar. A maior parte dos registros até agora foi de meteoritos que se destruíram na atmosfera.

Qualquer bola de fogo, flash luminoso ou objeto incandescente – os chamados bólidos - pode ser captado pela câmera, que registra, a partir de um software, as informações no computador da estação. Depois de registrado, é possível verificar a sua trajetória (se caiu, onde está localizado ou se entrou em combustão), assim como a incidência de meteoros no céu do estado.

A iniciativa faz parte das atividades do projeto AstroIFS, que surgiu em março de 2015 com o objetivo de difundir a astronomia no município de Estância e inserir a comunidade acadêmica em atividades de pesquisa e extensão. O projeto inclui observações astronômicas, oficinas (construção de foguetes e planisférios, montagem de lunetas e de sistemas solares em 3D etc.), palestras, visitas técnicas e abrange a rede municipal de ensino.

Segundo o idealizador do AstroIFS, o assistente de aluno e geógrafo Guthierre Ferreira, a montagem da estação mobilizou uma rede de apoio do campus formada por 12 estudantes, técnicos de laboratórios, professores e o pessoal da área de manutenção. O sistema de abastecimento de energia foi desenvolvido pela equipe do projeto IFS Solar, coordenado pelo professor Roberto Macena. A unidade é operada com o auxílio de três alunos, sendo um bolsista e dois voluntários.

Mateoro2De acordo com Ferreira, a ideia é fazer uma triangulação da estação de Sergipe com a de Alagoas para ampliar as possibilidades de identificação dos bólidos que, apesar de terem entrado na atmosfera local, acabam caindo no estado vizinho. A unidade de Estância conta com o suporte técnico da Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon): uma organização aberta e sem fins lucrativos, mantida por voluntários para produzir e fornecer dados científicos através da análise das capturas no céu noturno.

Para o estudante Paulo Felipe Carvalho dos Santos, 16 anos, do curso integrado de Eletrotécnica, monitorar os bólidos tem sido uma experiência única. “Duas vezes por semana a gente analisa as imagens. As dos falsos positivos são descartadas e as dos meteoros, selecionadas. Fazemos cálculos por meio de um software e conseguimos ter uma noção por onde eles passaram e onde caíram. É um trabalho muito interessante e, além disso, aprendemos muito sobre física e matemática”, afirmou.

Atualmente existem 31 estações no país, das quais apenas sete estão no nordeste. No Brasil essa atividade ainda é incipiente e pouco eficiente. A maior parte da rede de monitoramento de meteoros se encontra no hemisfério norte, que serve de modelo para o resto do mundo. “A recuperação desse material é importante porque possibilita saber informações sobre a formação do universo e do sistema solar”, destacou Ferreira.

Sobre o AstroIFS

O AstroIFS entrou numa nova fase este ano com a prospecção de R$ 10 mil após a aprovação em dois editais (Pibex e Pptae), que possibilitaram a compra de três telescópios, sendo um eletrônico; binóculos; uma câmara digital; e aparelhos para a montagem de duas estações de monitoramento de meteoros. A próxima será implantada no Campus Aracaju e atuará de forma coordenada com a unidade de Estância.

Fim do conteúdo da página