Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Estância > IFS promove Café literário para comemorar Dia da Consciência Negra
Início do conteúdo da página
CAMPUS ESTÂNCIA

IFS promove Café literário para comemorar Dia da Consciência Negra

Escrito por CAROLE FERREIRA DA CRUZ | Criado: Terça, 04 de Dezembro de 2018, 12h04

novembro negro 05Programação contou com palestra, roda de capoeira e apresentação do grupo de poesia Integração, formado pelos alunos do curso de Eletrotécnica

Pelo segundo ano consecutivo a Biblioteca Gilberto Amado do Instituto Federal de Sergipe (IFS) – Campus Estância promove o Café Literário para comemorar o Dia da Consciência Negra (21 de novembro). A programação contou com palestra, roda de capoeira e apresentação do grupo de poesia Integração, formado pelos alunos do 1o ano do curso de Eletrotécnica na modalidade Integrado.

novembro negro 08Como ocorre desde a edição anterior, a organização escolheu a saudação a um orixá, ‘Ora Iê Iê Ô: mãe das águas doces e cristalinas olha por nós’, para ser o tema do evento. “Nossa intenção é tentar desmistificar a ideia de demonização que se tem em relação à religião de matriz africana. O orixá nada mais é do que o cultuar a um elemento da natureza. Para o Candomblé e a Umbanda, a mãe das águas doces, cristalinas e potáveis é Oxum, que representa fecundidade, fartura, ventre, vida”, explicou a coordenadora da biblioteca, Ingrid Fabiana de Jesus Silva.

Segundo Ingrid Silva, ao dar luz a essa temática o IFS cumpre e fortalece a lei 10.639/03, que estabelece a obrigatoriedade do ensino da história e da cultura afro-brasileira nas escolas, e oportuniza a discussão de temas transversais como intolerância religiosa, discriminação e preconceito. O Café Literário pela Consciência Negra já integra o calendário de eventos do campus e em 2019 vai acontecer no início do mês de novembro. “Nossa pretensão é seguir abordando o tema do orixá para conscientizar, empoderar e contribuir com a formação dos alunos”, afirmou.

A programação foi encerrada pela palestra Os mistérios de Oxum, proferida pelo professor José Genivaldo Martires Yaô de Logunede, doutorando em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Antes, ocorreu a apresentação do projeto de capoeira Shalom e do grupo de poesia Integração, organizado pelo professor Tiago Barbosa. A edição do ano passado abordou o tema ‘Cosi cwé, cosi orixá: salve as folhas!’

 

novembro negro 01

 Roda de conversa

A equipe da Coordenadoria de Assistência Estudantil (Coae) aproveitou a passagem do Dia da Consciência Negra para realizar uma roda de conversa sobre preconceito racial. Os alunos do curso de Engenharia Civil tiveram a oportunidade de dialogar com o professor Flávio Nascimento, mestre em História Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF), integrante da Direção Executiva do Sindicato dos Professores de Sergipe (Sintese) e militante antirracismo na União de Negras e Negros pela Igualdade (Unegro).

 

Sobre a data

O Dia da Consciência Negra passou a ser comemorado no Brasil a partir de 2003 para demarcar a luta dos afro-brasileiros contra o racismo e em defesa dos direitos humanos. A data refere-se à morte de Zumbi dos Palmares, o último líder do Quilombo dos Palmares, o mais importante espaço de resistência e luta contra escravidão no país. O 21 de novembro foi durante 30 anos reivindicado pelo Movimento Negro para reverenciar essa história de luta, em contraposição ao 13 de maio, dia da Abolição da Escravatura.

Fim do conteúdo da página