Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser!
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > IFS e Instituto Braços promovem Seminário: “Bancas de Heteroidentificação”
Início do conteúdo da página
EVENTO

IFS e Instituto Braços promovem Seminário: “Bancas de Heteroidentificação”

Criado: Terça, 23 de Fevereiro de 2021, 10h23 | Publicado: Terça, 23 de Fevereiro de 2021, 10h41 | Última atualização em Sexta, 26 de Fevereiro de 2021, 10h30

Iniciativa será realizada de forma on-line, através do canal do IFS no YouTube, sendo voltada a servidores e alunos

Por: Monique de Sá

capaO Instituto Federal de Sergipe (IFS), em parceria com o Instituto Braços, promove nos dias 25 e 26 de fevereiro o “Seminário de Formação – Bancas de Heteroidentificação”, que será realizado das 14h às 16h30 no canal do IFS no YouTube: youtube.com/IFSergipe . Para participar, os interessados devem se inscrever através do preenchimento de um formulário. O evento dará direito a certificado para os participantes que se inscreverem.

A iniciativa visa sensibilizar servidores e alunos das instituições de ensino público federal superior e as organizações da sociedade civil para atuação nas bancas de Heteroidentificação, sendo dirigida prioritariamente a servidores do IFS e da Universidade Federal de Sergipe (UFS), além de ativistas dos movimentos sociais.

A programação do evento foi pensada com o intuito de formar servidores tanto do IFS, quanto da UFS, já que ambas instituições adotam políticas afirmativas de cotas raciais em seus processos de seleção de estudantes.

“Como um mecanismo capaz de assegurar que a determinação legal seja cumprida, no sentido de garantir que os pretos e pardos, a quem a lei se destina, efetivamente os atinja. Por isso as bancas de heteroidentificação são fundamentais para completar o ciclo de garantia de direitos”, explica Gildevana Ferreira, presidente da Comissão Central de Heteroidentificação do IFS e chefe do Departamento de Gestão de Ingresso.

Em 2020, o IFS foi a primeira instituição de ensino do estado a implantar uma Comissão de Heteroidentificação em seus processos seletivos. A medida cumpre uma exigência legal e busca garantir que o acesso dos cotistas que se autodeclararem negros (preto/pardo) ou índios seja o mais justo e idôneo possível. “Enquanto instituição pública federal de ensino sempre teremos desafios no intuito de garantirmos avanços consideráveis rumo à equiparação dos direitos”, ressalta Gildevana.

Instituto Braços

O Instituto Braços (IB) é parceiro do IFS desde o início do processo de implantação dos procedimentos étnicos-raciais para o ingresso de alunos na instituição, estando presente na elaboração da resolução que estabelece as normas para o funcionamento das comissões étnico-raciais. Documento construído com o apoio do movimento negro, sendo representado pelo IB e pelo Coletivo Negro Beatriz Nascimento (CNBN).

“Pelo fato de as bancas de heteroidentificação serem novidade na gestão pública, é necessário que haja a formação das pessoas para atuarem com capacidade e compromisso com essa pauta tão importante e que resgata a promoção da igualdade”, lembra a chefe do Departamento de Gestão de Ingresso do IFS.

"Vale ressaltar que o Instituto Braços é constituído por uma fatia muito grande de educadores, de professores universitários, de especialistas em educação para as relações étnico-raciais que compreendem o papel da educação na vida das pessoas, especialmente, as potencialidades da educação para a superação das mazelas socais, dentre elas, a chagas do racismo, da discriminação e da desigualdade", explica Robson Anselmo, coordenador-geral da Equipe Executiva do IB.

Programação

Dia 25: MARIA BATISTA LIMA (LIA)

Mediadora: Lídia Anjos
Racismo no Brasil: Bases históricas e conceituais

Dia 25: JANE MARIA REIS
Mediadora: Lídia Anjos
As bancas de Heteroidentificação e as políticas de cotas raciais
a) políticas afirmativas e as bancas de Heteroidentificação;
b) metodologia e procedimentos;
c) procedimentos em tempos pandêmicos

Dia 26: GILDEVANA FERREIRA
Mediador: Robson Anselmo Santos
Apresentação dos resultados das bancas de heteroidentificação do IFS em 2020.

Dia 26: ONÉSIO AMARAL
Mediador: Robson Anselmo Santos
Impactos sociais, políticos e jurídicos das Bancas de Heteroidentificação
a) o papel das Instituições de Ensino;
b) compromisso e responsabilidade dos beneficiados

OnésioCurrículo dos participantes:

Onésio Amaral
Graduado em Direito pela pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG/2002) e mestre em Direito também pela UFMG. Foi Professor Assistente de Direito Constitucional e Direitos Humanos da Universidade Federal de Goiás (UFGO – 2006/2009). Atualmente é Procurador da República. As principais áreas de atuação acadêmica no Direito são Direito Constitucional, Direito e Processo Penal, Procedimentalização do Direito e Direito Processual, Teoria Geral, Filosofia e Sociologia do Direito.

JaneJane Maria Reis
Ela é graduada em Ciências Sociais - Licenciatura e Bacharelado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e em Pedagogia - Séries Iniciais e Gestão Escolar pela Universidade de Uberaba. É especialista em Ciências da Religião, pela Universidade Católica de Uberlândia e em Metodologia da Educação a Distância, pela Faculdade Cidade de João Pinheiro. Mestre em Educação na Linha de Pesquisa Políticas e Gestão em Educação pela UFU e Doutora em Educação também pela UFU. Atualmente trabalha na Universidade Federal de Uberlândia, como coordenadora da Divisão de Licenciatura, ligada à Diretoria de Ensino da Pró-Reitoria de Graduação, sendo também vice-coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UFU.

MariaMaria Batista Lina
É professora do Departamento de Serviço Social da UFS, sendo mestra em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Atualmente é ativista negra do IB e faz parte do Fórum de Defesa da Criança e do Adolescente. Além de atuar como membro do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (NEABI/UFS) e da Comissão de Heteroidentificação da Pós-graduação e da recursal da graduação da UFS.

GidevanaGildevana Ferreira
É presidente da Comissão Central de Heteroidentificação do IFS, além de ser chefe do Departamento de Gestão de Ingresso do Instituto sergipano. Gildevana é graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), especialista em Gestão da comunicação e do marketing institucional pela Universidade Castelo Branco (RJ) e mestra em Gestão da Informação e do Conhecimento pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UFS (PPGCI).

registrado em:
Fim do conteúdo da página